Sábado, 14 de Maio de 2005

Reviver o passado em Ruivães

 

            Foi num dia de Inverno, chuvoso, triste, que eu deixei sem saber ate quando, a minha aldeia.

 

Os primeiros cinquenta quilómetros da viagem que me levariam até Braga, fi-los chorando copiosamente, humedecendo com as lágrimas o vidro da janela da camioneta, ao mesmo tempo que do lado de fora, no mesmo vidro, as golas de chuva deslizavam como de uma competição se tratasse.

Ruivães ficava cada vez mais para trás. Depois da camioneta, o comboio, tudo conjugado mais me parecia um rapto. De nada adiantava dizer que não queria ir pois um puxão de orelhas punha logo fim à minha impertinência.

Conforme o comboio com destino a Lisboa se distanciava, mais aumentava a tristeza de ter deixado a minha aldeia. Tinha partido nessa manhã, e já sentia saudades!

Tinha doze anos, soberbos de alegria, vívidos sempre naquela terra tão linda, e agora levavam-me para um mundo que eu não conhecia, sei lá o que me esperava!

Se calhar não voltaria a ver os meus amigos de infância, o meu avô – a quem chamava pai porque foi ele quem me criou, a Serra da Cabreira e o rio que tanto amava! …

Sentia-me perdido, apetecia-me saltar pela janela do comboio e correr, correr por aqueles montes fora de volta à minha aldeia.

Passaram-se muitos anos, até voltar a Ruivães.

Quando isso aconteceu, fui encontrar a aldeia desfigurada, se bem que nalgumas coisas para melhor. A estrada estava alcatroada, as ruas calcetadas, algumas casas novas outras arranjadas, mas.., acima de tudo, já havia electricidade!

Tudo estava diferente, mas a Cabreira mantinha-se indiferente ao progresso, imponente lá no alto, como eu a amava. E o rio? Tal como na canção, este meu rio, não o outro, continuava lindo!...

A primeira coisa que fiz, foi mergulhar nos poços onde tanto chapinhei, como o do Chabouco, Maria Pereira, das Traves, foi mesmo uma romagem de saudade,

E os meus amigos? Procurei por eles, só um ou dois por lá se mantinham. Alguns, mais velhos que eu, foram para a tropa e consequentemente para o Ultramar, outros emigraram “a salto” e por isso nem à terra podiam vir, só os velhinhos mantinham viva a recordação que eu tinha da aldeia que deixei.

 

NOTA: Artigo gentilmente copiado d' O Jornal de Vieira nº 763 de 15 de Maio de 2005. Desconhecemos o seu autor, mas o artigo tem continuação no próximo número.

 

pontos de interesse:
Vila de Ruivães às 19:29

| deixar comentário