Domingo, 30 de Março de 2008

Os nossos escritores: A Cigana

 

São apenas sessenta páginas de “Linda da Serra”, edição de autora. Mas, é uma corrente límpida de beleza e simplicidade que, por vezes, entontece de encanto. Sim, belo e simples, porque o belo banha-se sempre de simplicidade. Nesta corrente, há ondas de mística, e a mística expressa-se no sublime. Este, que é normalmente indizível, torna-se palavra neste livrinho, porque envolve a vida e toca a transcendência: “Toda a palavra é pouca para falar do indizível, para mostrar o inefável... a beleza que têm as coisas simples não passa pelo discurso e tão só pela comunhão de um sentimento partilhado no silêncio...” (pág. 42). Como escreve a autora na contra-capa: “Este pequeno texto mistura prosa com poesia sobre a mesma temática: a saga da vida e a mística da experiência...”. E, assim, torna-se “palavra”. Toda esta obra se banha de divino: “O nosso dono é o ontem, o “hoje e o amanhã. É Deus, Criador e Senhor de tudo quanto existe...” (p. 55). Mas é também muito humana: “Quando casada civilmente me preparava para descer ao Alentejo, vislumbrei que, de novo, me enganara no caminho... Afinal, nunca vivi com o noivo e nunca nos casámos verdadeiramente, porque só há casamento diante de Deus. Os papéis para mim nada significam…” (p. 56). O livrinho é um triângulo amoroso: a Cigana, a Autora, o Alentejo: “Este pequeno livrinho conta a história de uma égua, a Cigana, e não menos importante, é a história paralela de alguém que quis experimentar a vida num Monte Alentejano muito antes de se ter apaixonado” (p. 4). …, portanto, biográfico, real, até porque “a perfeição é um ideal, um valor absoluto; nós somos seres finitos sujeitos a cair... Falhamos e erguemos o rosto na direcção do Poente...”. Li e reli, porque o belo, por vezes, não se capta à primeira, sobretudo os dois capítulos mais belos: “O Amanhecer no Monte” e “O Pôr-do-Sol no Monte”, e ainda os três poemas. São testemunhos de simplicidade, autenticidade (e de beleza) os capítulos mais biográficos “O Dono da Cigana” e “A Cigana e Nós”. Para terminar esta tentativa de análise de uma obra que me tocou (e uma análise não é necessariamente descomovida) mais uma citação exemplar: “Dentro do Monte, o sol arredondado e livre aqueceu o Lar e a lua baila frente á porta atravessando a escuridão, iluminando o rosto dos que esperam o último Sol, Fonte de Luz, Criador e Senhor de toda a Vida”. Não perca, leitor, a oportunidade de se banhar na luz deste belo livro.

 

 

Noticia retirada d’ O Jornal de Vieira, edição nº 825 de 15 de Fevereiro de 2008.

 

 

pontos de interesse:
Vila de Ruivães às 18:00

De Ruivanense Adoptivo a 6 de Junho de 2008 às 14:54
A Cigana é um livro sublime em que a Autora nos revela a sua passagem por terras alentejanas e também as suas vivências num monte do alentejo, onde uma égua com o nome de Cigana é um dos personagens deste livro, ao lado dos burros, da mula, etc.
Ainda bem que há pessoas com esta capacidade de observar e de comunicar depois o que viram e viveram; o Alentejo e o Minho são naturalmente muito diferentes mas até parece que neste livro se tornam complementares e se completam mutuamente. Lendo este ivro, com todo o seu colorido e com todos os pormenores que Linda da Serra nos faculta, parece que também nós somos actores neste palco.
Obrigado, Linda da Serra
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.